domingo, 29 de agosto de 2010

Eu e tu, meu amor - Capítulo 4


Capítulo 4 – Treino

Desliguei o telemóvel e virei-me para o lado do Jacob. Este agarrou-me e beijou a minha testa, ainda era muito cedo e tenho a certeza que eles não iam treinar agora…
Fechei os olhos…
“Cheguei a casa. Não havia luz nenhuma acesa, procurei o botão da luz, acendi e por toda a minha casa e do Jake estavam todas da Amy e dele.
Pus a mala e o casaco em cima do sofá e fui até ao andar de cima.
- Meu amor… - Chamei á porta do quarto.
Ninguém respondeu, abri a porta e vi o Jake e a Amy os dois na cama! Fechei a porta e já os via em todo o sítio.
- Passas-te á história. – Dizia a Amy com os olhos fixos em mim.
- Nunca te amei. – Murmurava o Jake também com os olhos fixos em mim.
Por todo o lado que andasse conseguia vê-los os dois juntos e ouvi-los e murmurarem sempre mas mesmas coisas idiotas.”
- Nessie! Acorda! Nessie! – Gritou o Jacob.
Abri os olhos e vi o rosto do Jacob a olhar fixamente para mim como no meu pesadelo, fechei e abri novamente os olhos.
Sentia o meu corpo bastante suado e a mão quente do Jacob na minha testa. O Jacob deitou-se ao pé de mim e puxou-me para ele.
- Foi só um pesadelo meu amor. – Disse o Jacob beijando-me.
- Vais-me deixar? – Perguntei com as lágrimas nos olhos.
- Nunca princesinha. – Respondeu.
Continuei a chorar. Aquele pesadelo tinha sido tão…idiota.
- Amorzinho não chores. – Pediu.
- Tu não sabes o que sonhei! – Respondi.
- Imagino…mas tu sabes muito bem que só te amo a ti, e pior não consigo viver, nem sei viver sem ti chatinha. – Disse o Jacob.
Aquilo do “chatinha” fez-me rir, vá pelo menos isso. Vesti umas skinny jeans, uns ténis, uma camisola de manga comprida, um quispo grosso, um gorro e um cachecol á volta do pescoço.
Fui buscar um livro para ler enquanto eles treinava. Sentei-me no chão encostada a uma árvore a ouvir música e a ler o meu livrinho.
Ouvi algo na floresta, e eu sou bastante curiosa por isso vai desta que amanhã já não há. Tirei os phones dos ouvidos e fui até ao ruído.
Parei quando vi uma pessoa, olhei para os seus olhos e eram realmente vermelhos leitosos e a sua pele era pálida.
Engoli a seco e caminhei para trás lentamente.
- Tu…cheiras tão bem… - Murmurou.
Quando ele me ia atacar um lobo enorme pôs-se mesmo á minha frente. Ele reparou que eu mão me afastava, eu simplesmente estava em choque por isso deu-me uma patada e eu voei literalmente até ao descampado onde eles estavam a treinar.
Bati com a cabeça numa árvore e com as costas. A minha mãe afastou-se assim que viu o sangue, apenas vi o meu pai e o Carlisle a caminhar para mim enquanto o Jacob estava na forma de lobo.

Jacob

A Nessie estava inconsciente á quase um dia, o Carlisle achou por bem e para não haver problemas piores levar a Nessie para o hospital.
Ver a Nessie deitada naquela cama fazia-me confusão, deixava-me deprimido e sem saber o que fazer.
Sentia-me inútil e impotente e ainda pior: culpado. Se não tivesse levado a Nessie para aquele treino idiota ela não tinha decidido ir até á floresta e não estava neste estado.
A Alice acha que a Nessie pode acordar eventualmente daqui a três dias mas serão três dias de agonia.
- Se vamos por o caminho das culpas então eu fui um idiota ao ligar-lhe. – Disse o Edward.
Ficámos um tempo em silêncio.
- Jacob, se quiseres podes ir a casa tomar um banho ou dormir. Eu e a Bella ficamos com ela. – Disse o Edward.
Talvez fosse mesmo melhor ir a casa, tomar um banho rápido e voltar ao hospital para ao pé da minha pequenina.
Fui a casa, tomei um banho e alguém bateu á porta. Acabei de me vestir e fui abrir.
- Ray… - Eu não falo com a Rachel mas ela estava ali mesmo á minha frente e eu não sabia o que fazer.
Primeiro ela deixa-se engravidar por um lobo idiota que sempre tentou tudo para me afastar da Nessie e que nunca gostou dela e segundo tenta matá-la quando ela era bebé.
- Precisamos de falar. – Disse a Rachel.
Comentem Bjs Melissa

1 comentário:

madalena3000 disse...

lindddddddddddddddddddddddddddddoooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo