segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Love Me, Capítulo 4


Capítulo 4 – Volturi
Visão Renesmee Cullen



Há mais ou menos um ano o Jake abriu uma oficina de carros, como ele tanto gosta, por isso vou até lá dizer-lhe umas quantas coisas.
Bati á porta da oficina pois ela estava fechada. Quem me abriu foi o Seth, como sempre, Seth é o mais simpático e amoroso.
- Seth, o Jake? – Perguntei.
- Não sabes? Ele e uns quantos Cullen foram a Volterra o Fred e o John estão lá, acho que foram tentar matar os Volturi… - Respondeu o Seth.
Boa, agora o Jake vai-se matar em conjunto com o resto da família. Obriguei o Seth a ir comigo, eu não iria sozinha!
Finalmente, chegámos ao aeroporto de Itália. Estávamos perto de Volterra mas para lá chegarmos precisávamos de um carro.
Avistei um carro que estava na berma da estrada. Era um jipe preto bastante alto, facilmente, e com a minha força, consegui abri-lo em ninguém notar nada.
Eu e o Seth entrámos dentro do carro e eu comecei a guiar. Tentava conduzir o carro o mais depressa que podia enquanto Seth gritava que não queria morrer.
- Obrigaste-me a vir e agora vamos morrer! Conduzes depressa demais! – O Seth não parava de gritar.
Chegámos a Volterra, saímos os dois do carro e tentámos procurar a Torre do Relógio. Os Volturi são vingativos demais e se o Fred e o John mataram algum deles então isso será um problema.
- É aqui… - Murmurei ao Seth.
Ajeitei o meu cachecol e o gorro. Desapertei o casaco e comecei a andar com um pouco de receio até á Torre.
O Seth olhou-me, dando-me força, e entrámos os dois pela porta principal. Estavam três vampiros a bloquear a porta.
- Cheira-me a lobo… E vampira misturada com humana, ora, ora… uma híbrida… - Os vampiros começaram a correr para nós.
O Seth transformou-se em lobo e matou logo um deles. Os outros dois caminharam para mim com os olhos bastante vermelhos.
Se já, tentei, lutar com lobos pode ser que me safe com vampiros. O Seth puxou um deles e começaram a lutar.
O vampiro puxou-me e lançou-me, alto, para uma parede com uns bicos pequenos. Ora, a minha cara ficou ferida, no lábio e na bochecha.
Levantei-me e dei-lhe um ponta pé, com força de vampiro, na perna. O vampiro caiu mas levantou-se rapidamente e lançou-me para uma pedra.
Levantei-me e comecei a tentar bater-lhe até que por fim, eu, estava a ganhar vantagem. O Seth agarrou no vampiro que a boca e desfê-lo.
Pulei para o dorso de Seth e ele começou a correr até á porta do salão dos Volturi. Seth foi-se transformar em humano e voltou, apenas, com uns calções até ao joelho.
- Rápido! Seth fica aqui á porta eu vou lá para dentro. – Disse eu.
- Tem cuidado. – Pediu-me.
Seth transformou-se e ficou a ver se mais algum vampiro de aventurava a tentar matar-nos. Dei uns quantos paços atrás e comecei a correr para a porta de forma a abri-la, eu sou um pouco fraca.
A porta abriu-se de repente e eu deslizei pelo chão até aos pés de Caius. Ele levantou-me pelo braço e olhou-me.
- Vejam só se não é a vossa amiga, Renesmee. – Disse Caius.
- Olha lá, tu andas-te na guerra? – Perguntou o Emmett.
Caius empurrou-me e o primeiro a agarrar-me foi o Jake. Agarrei-me ao Jake, como um abraço, e senti as lágrimas na minha face.
- Estás bem? – Perguntou-me.
- Sim, agora estou. – Respondi-lhe.
- Sorte a minha… - Aro aproximou-se de mim. – Mais um Cullen para a nossa pequena festa… Já á tanto tempo que não te via Renesmee. – Aro fez uma paragem. – Eras quase um bebé quando te vi pela última vez… Quem me dera encontrar-te noutras circunstancias… - Concluiu Aro.
Revirei os olhos e, durante segundos, todas aquelas memórias, do dia em que os Volturi me queriam matar, sugiram repentinamente na minha cabeça.
Todas aquelas acusações, tudo aquilo o que eles disseram. Em especial quando o Jake quase morreu por mim…
Os Volturi sempre foram temidos, temidos demais, até. Os Volturi pensam que podem matar tudo e todos só por uma simples razão, mas, nem tudo é assim.
Naquele dia, em que eles me queriam matar, eu pensei mesmo que iria morrer, que iria ser os meus últimos minutos de vida mas não, foram graças a Nahuel.
Nahuel, mostrou-se uma pessoa odiosa. A pior pessoa do mundo, nojento e, pelos vistos, sem piedade nenhuma.
Sinceramente odeio os Volturi. Pensam que são bons só por poderem matar quando podem? Por viverem em Itália? Por terem um bom exército.
- RENESMEE?! – Ouvi o meu pai dar um grito enorme.
Aro estava a tocar na minha mão. Ele estava a ouvir tudo aquilo sobre o que eu pensava dos Volturi… Engoli a seco e ele agarrou mais a minha mão.
- Por favor… - Os servos dos Volturi, rapidamente agarraram os lobos e os Cullen.
Os vampiros, a qualquer momento, estavam prontos a morder nos lobos, uma boa forma de os manter quietos, e aos vampiros prontos para lhes arrancar um braço ou a cabeça.
- Odeio quando pensam isso de mim! Agora vais ter o que mereces. – Aro juntos a boca ao meu ouvido. – Porque se disseres alguma coisa, ou te queixares, o teu namorado vai sofrer, vês? – Aro fez-me olhar para Jacob.
Um dos servos dos Volturi estava com a boca bastante perto do pescoço do Jacob. Engoli a seco mais uma vez e, sem querer, voltei a pensar no quanto os Volturi eram odiosos.
Senti Aro, apenas, a fazer algo com o meu braço. Ele puxou o meu braço e fez-me voar pela sala. Caí em cima da cadeira dele e bati com a cabeça no chão.
Vi que nenhum dos Cullen ou dos lobos se conseguiam mexer, mas tal como Aro disse, eu iria aguentar isto.
A custo, levantei-me e afastei a cadeira com o pé. Soltei um sorriso e olhei nos olhos de Aro. “Pai, não faça nada…” – Pedi ao meu pai, preferi trata-lo por “você”.
Oh, sim! Eu estou cheia de medo do que você vampirinho nojento pode fazer. Pelo menos a minha resolva com os homens pode ser despejada nele!
- Contente Edward? – Aro virou-se de costas para o meu pai, por isso comecei a caminhar para ele pronta para lhe dar um murro com a força vampírica. – Finalmente a tua filha tornou-se numa… mulher, ou melhor numa aberração parada no tempo. – Concluiu Aro.
Assim que lhe dia dar um murro Aro virou-se e prendeu os meus braços. Renesmee Cullen, se tu não dás luta eu juro que te mato! – Pensei para mim.
- Vais dar luta, queridinha? – Perguntou-me.
Virou-me de frente e largou-me fazendo-me dar três paços para trás.
- Mas agora a sério o que é que fazem aqui? – Perguntou o Aro.
- Viemos salva-lo, não? – Gozou Emmett.
Aro agarrou em Emmett e lançou-o contra um banco de pedra. Claro que Emmett passou-me mas não fez nada, apenas ficou sentado no chão.
- E tu, miúda? – Perguntou-me Aro.
- Vim salvar o Jake. – Respondi.
- Falamos em casa. – Disse o meu a abanar a cabeça.
- Eu sempre disse que o amor é lindo mas sabes o que aconteceu? Os teus amiguinhos, o Fred e o John, mataram a minha companheira… Como seria se eu mata-se o Jacob? – Perguntou-me.
- Não pode fazer isso. Esses dois, Fred e John, é que tiveram culpa! – Exclamei.
- Aro. – Marcus tocou no ombro de Aro. – Esquece isso, irmão. Acho que os lobos já sofreram demais… - Disse o Marcus.
Porque é que o Marcus é, ou está a ser, tão coerente? Ele é um Volturi, não devia estar a mandarmo-nos embora…
___________________
Gostaram? Então comentem!
Bjs, Melissa

3 comentários:

¬¬¬ Jéssiee ^ ^ disse...

Não sei por que, mas eu a-d-o-r-o ler quando se trata de lutas!
eu consigo imaginar cada detalhe!
elibieber4ever

Danny disse...

Ameei muito Melissa esta facinante e muito bem escrito beijos Danny.

Melissa disse...

Obrigada :)
Bjs, Melissa